sábado, 29 de dezembro de 2012

Pintura na parede

Este desenho abaixo foi o esbouço para um projeto ambicioso. Há tempos eu queria pintar a parede do meu quarto, onde ficam as minhas guitarras. Aí veio a ideia de usar temas e notas musicais para compôr o desenho.


Depois de esbouçar, pus a mão na massa e foi tinta acrílica pra todo o lado.


Abaixo o resultado final da pintura com as guitarras em seus devidos lugares

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Dia 16 - conto baseado em fatos reais


Dia 16
  
            Hoje choveu durante toda à tarde. Sendo assim, passei o dia em casa jogando videogame. Nesses últimos dias ando muito ansioso, afinal, o clube ao qual sou torcedor desde pequeno está no Japão para decidir quem será o melhor do mundo. Já era de se imaginar que passei a tarde toda jogando futebol no meu videogame.
            - É isso... Campeão... É CAMPEÃO...
            - Júnior... Está tudo bem?
            - Desculpe mãe... Só estou jogando...
            - Tudo bem. Venha jantar – Desliguei o meu videogame e fui para a cozinha.
            - Que cara é está filho?
            - Ah, nada não mãe.
            - É seu time né!
            - Sim... Ele está na final.
            - Vai assistir ao jogo aqui em casa né?
            - Queria assistir no bar com meus amigos...
            - Filho... Sabe que não gosto que fique frequentando bares.
            - Tudo bem mãe... Vou assistir em casa.
            - O JÚNIORRR...
            - Ih... Deve ser o Jeh.
            - Jeh? Você quis dizer Jefferson, aquele menino…
            - É mãe, aquele garoto que todos acusam... Eu confio nele.
            - Mas eu não confio... Não quero ver você andando com ele...
            - Mãe... Ele é meu amigo. E tem mais, ele nunca fez nada daquilo que falam dele... Pelo menos não na minha frente.
            - Sei... Olha lá menino...
            - Mãe... Não esquenta... Tô saindo...
            - Aonde vai?
            - Vamos dar um role pelo centro.
            - Não volta tarde menino.
            - Tudo bem mãe.
          Já é meio tradição no nosso grupo dar um role pelo centro da cidade. Observamos o movimento, conversamos, às vezes bebemos ou paramos para comer um dogão em algum lugar qualquer e voltamos para o bairro. Sempre fazemos isso em quase todas as noites.
            - Hei Jeh... Aquele cara está nos marcando a tempo – Diz Juliano.
            - Ha... É... É o Marcão... Vou lá falar com ele.
            - Quem é esse tal de Marcão?
            - Não é ninguém… Só um conhecido… Vou ir falar com ele e já volto.
            - Ok.
            - Julio... Quem é aquele cara sinistro? – Pergunto para Juliano.
            - Não sei cara... Ele disse que era apenas um conhecido.
            - Que estranho...
            - Também achei... – Ficamos observando os dois conversarem. O tal cara estranho começou a discutir com o Jeh e depois disso o cara dá um tapam no Jeh que não esboça nenhuma reação.
            - Que isso cara?... Eles estão batendo nele.
            - Temos que ir lá... Vamos... Vamos – Corremos até o Jeh que se levantou com alguma dificuldade.
            - Galera... Deixa queto... – Disse o Jeh.
            - Quê... Explique-nos por que esse cara tá te batendo?
            - Silêncio... – Pede o tal Marcão – Ouviu né Jefferson. Você tem vinte e quatro horas pra resolver o seu problema. Estamos entendidos?
            - Estou sim...
            - Agora pega a sua rapa e vai embora... – Jeh levanta-se e pediu para irmos embora.
            - Cara... O quê tá acontecendo?
            - Não quero falar – Jeh ficou o caminho inteiro calado. Não disse uma palavra mesmo com a insistência do Juliano.
            Eu sou o que moro mais longe. Pelo caminho ficaram os amigos em suas casas e sobrou apenas eu e o Jeh.
            - Falo cara – Disse o Jefferson.
            - Falo mano... Não quer dizer algo?
            - Melhor você ficar fora disto mano... Té mais...
            Que estranho. O que será que estão cobrando do Jeh? Pensei nisto o caminho todo, mas se ele não quer falar. Agora faltam menos de trinta e seis horas para a final do campeonato. Chegando em frente de casa, minha mãe me esperava.
            - Mãe? O quê faz aqui a está hora?
            - Perdi o sono... Foi tão estranho... Aconteceu algo?
            - Mãe... Está tudo bem... Vai dormir... – Não queria assusta-la com bobagens.
            Novamente passei a manhã toda jogando videogame.
            - FI-LHOO...
            - O que é mãe?
            - Tá quase pronto o almoço... Preciso de um favor seu.
          - Já vou... – Desliguei o videogame e fui ver do quê a minha mãe estava precisando - O quê quer mãe?
            - Vai até e mercearia para comprar um refrigerante. Toma aqui  o dinheiro.
            - Tá bom... Vou lá rapidinho... – Pelo caminho passei em frente à casa do Jeh e encontrei o mesmo no portão.
            - E aí mano... Indo na mercearia? – Ele perguntou-me.
            - Sim... Vamos lá?
            - Ah... Melhor não...
            - Cara... Você está estranho desde ontem... O quê está acontecendo?
            - Melhor não se meter... É problema meu...
            - Aquele cara... Mano... Aquele cara está te cobrando algo...
            - Cara...
      - Mano... Você não confia em mim... Somos amigos e sempre te defendi. Fale o quê está acontecendo...
            - Tá bom... Vou ali no bar com você...
            - Fala aí mano... O quê está acontecendo?
            - Aquele cara... Eu estou devendo pra ele?
            - Devendo? Grana?
            - Sim...
            - Grana do quê?
            - Cara... É grana de drogas e eu não tenho como pagar.
            - Não acredito cara... Eu sempre te defendi... Quê mancada sua...
            - Desculpe cara... Desculpe-me.
            - Não sei se deve... Tenho que pensar... Amanhã conversamos.
            - Tudo bem... Disse Jeh e virou-se de costas e caminhou em direção a sua casa. Logo após isto            ele resmungou – Amanhã pode ser tarde demais...
            Não entendi bem o significado de tais palavras. Minha cabeça quente não me deixou raciocinar naquele momento. Devia ter me preocupado mais com ele. Enfim, fui até a mercearia e seu Carlos me recebeu bem, como sempre.
            - Fala garoto. Só o refresco hoje?
            - Sim... É amanhã, hein...
            - Amanhã o quê moleque? Seu time vai perder...
            - Vai nada... Você vai ver.
            - Vai vir aqui amanhã? – Seu Carlos é torcedor de outro time, mas não é bobo. Amanhã ele abrira a mercearia na hora do jogo. Sabe que vai encher.
            - Talvez... Té mais seu Carlos.
            A minha ansiedade não passava. Foi assim durante a tarde e a noite. Como foi difícil dormir.
            Mal abri os olhos de manhã cedo e já fui ligar a televisão. A ansiedade era tão grande que já estava roendo as unhas.    
E começou o jogo. Vai ser um jogo muito difícil, pois o time adversário é melhor e tem muito mais craques. No começo o jogo estava equilibrado, mais depois da metade do tempo regulamentar, o outro time passou a dominar o jogo. Veio o segundo tempo e a emoção e a tensão aumentava até que...
- GOLLLLLLLLLLLLL... – Não acredito. Que golpe de sorte. Foi gol. Meu coração parecia que ia escapar pela boca.
- Que alegria filho...
- É mãe... Queria ver a cara dos meus amigos agora... Todos estão no bar...
- Ah filho... Então  vai lá vê como eles estão.
- Posso mãe?
- Pode sim... Mas não demore.
- Tá bom... – Fui correndo até o bar. Estava uma festa só. Todo mundo estava lá, menos eu e o Jeh. O jogo acabou e comemoramos o título juntos. Algum tempo depois o seu Carlos fechou o bar e ficamos ali na frente comemorando com os amigos. Em seguida o Jeh chegou. Eu ainda estava chateado com ele então não puxei assunto com ele.
- Ih galera... Não disse que nosso time ia vencer...
- Oh o cara... Até esses dias ele torcia pros camisas verdes... Então o quê fez mudar de ideia seu vira casaca?
- Todos sabem que este time é o melhor. Aí aparece os vira casacas... – Diz outro dos meus amigos.
Todos tiraram uma na cara do Jeh, menos eu, que continuei a manter seriedade com ele. De repente começou a chover e isto nos prendeu ali na frente do bar do seu Carlos. Ficamos ali conversando por algum tempo até a chuva começar a passar.
Minha mãe, sem que eu soubesse, observava-me conversando com os meus amigos. Até que um estranho cara aproxima-se do bar parando em frente ao mesmo.
Minha mãe não vê, mas ele sacam uma arma e faz uma pergunta.
- Quem é Jeh? – Bateu um desespero em mim e resolvi correr.
BLAMMMMMM – Ouve um disparo. O tiro foi certeiro. Cai no chão e de lá vejo que o Jeh ergue as mãos por sobre a cabeça, como se tivesse se entregando. Jeh olhava-me com uma cara triste, de frustração. Arrependido...
- Tá maluco cara? – Disse Jeh para o atirador.
- Ele correu deve ser o tal Jeh...
- Você está enganado... Eu sou o Jeh
- O quê!... – O cara aponta a arma novamente e ouve outro disparo...
BLAMMMMM – Jeh foi atingido em cheio e cai de joelhos. Os atiradores fogem. Jeh cai no chão e olha para mim, como se pedisse desculpas. Mas é tarde para ele e sinto que é tarde demais pra mim também.
Escuto a voz desesperada de minha mãe, meus amigos e da mãe do Jeh. Sinto-me fraco...
Começa então a chover novamente e fico imaginando tudo o quê eu estava vivendo. Todas as alegrias...
16 de dezembro de 2012 era pra ser somente um dia de alegrias e sem querer dei a maior das tristezas para minha família...


                                                                                   FIM!

“Dia 16” é baseada em fatos reais.

sábado, 10 de novembro de 2012

Desenho - Paola Oliveira


Mais um desenho usando apenas canetas esferográficas de tinta azul.
 Desta vez, usei uma imagem da atriz Paola Oliveira.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Desenho - Grafite da cantora Avril Lavigne

Mais um desenho usando técnicas de grafite e observação. O desenho em questão desta vez, foi da cantora canadense Avril Lavigne.
Música, rock, grafite, desenho, etc..


Princesa do Pop Punk

sábado, 15 de setembro de 2012

Alimentado de sofrimento...

"Alimentado de sofrimento..."

Mais uma vez triste e sozinho,
Na busca de um novo caminho,
Perdido e só num limbo de pensamentos,
Resistindo as dores e lamentos.

Erros sem concertos,
Um ser totalmente falho e imperfeito,
Afogado nos piores do sentimentos,

Adaptando-se aos novos sofrimentos.

Poesias e sentimentos,
Palavras e lamentos,
Letras e pensamentos,
Rimas, dores e sofrimentos. 




Anderson Furtado - 14-09-2012

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Charges: Turma parajoara

Para ver minhas charges, tirinhas e críticas acesse e siga os links:


Blog do Mala e sua turma parajoara:
 http://blogdomalacabado.blogspot.com.br/
Aproveite e curta a página do Mala e sua turma parajoara no face, assim você recebe e visualiza as publicações do Mala e sua turma parajoara direto no seu perfil do Facebook.
Você não ganha nada com isso, mas dá umas risadas....

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Grafite - Desenho realistico

Desenhos realísticos usando técnicas de grafite e observação






Desenho e poesia: Jimi Rocker - O vingador mascarado

Jimi Rocker é o personagem central de uma das crônicas de "Mitologia & Monstros", escritas e ilustradas por mim. O protagonista viveu no séc. XVI, sendo orfão e plebeu. Acaba apaixonando-se pela filha de um importante nobre. Apesar de ter o amor correspondido, Jimi tem dois problemas para que seu romance com ela seja aceito. Os amigos de sua amada, que também desejam a garota e o pai da mesma, importante nobre da região.

Jimi é atraído para uma armadilha, indo até a floresta negra achando que encontraria sua amada, mas acaba sendo atacado pelos garotos que não aceitam o romance entre Jimi e uma garota nobre.

Um estranho homem espanta os agressores, mas já era tarde demais para salvar a vida de Jimi, restando uma única coisa a fazer por ele... Recuperado misteriosamente, o homem aconselha o jovem a se vingar daqueles que o traíram... Mas o garoto demora a cair em si sobre sua nova condição, e acaba sendo capturado e queimado em praça publica como um monstro...

Sua alma caminha perdida por quase cinco séculos, quando vê a possibilidade de apoderar-se do corpo de um jovem cheio de problemas, rebelde e revoltado, que estranhamente tem uma forte ligação com ele... Renasce para poder se vingar, Jimi... Agora sendo conhecido como Jimi rocker...

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Nanquim: Caricatura

Caricatura de uma amiga muito especial. Na verdade, ela substituiu umas aulas pra turma do curso de artes, onde iniciamos uma amizade verdadeira. Como sempre estou rabiscando e desenhando, ela acabou vendo algumas artes minhas e gostou bastante, chegando a me pedir um desenho dela.

O resultado está aí abaixo:

sábado, 28 de julho de 2012

Desenhos - Personagens da saga Dragon Ball de Akira Toriyama

Alguns dos meus desenhos dos personagens da Saga Dragon Ball 



------------------------------
Há algum tempo que eu não desenhava os heróis da saga Dragon Ball. Acho que não perdi o traço...
---------------------------------------------------------------------------
Tinta guache sobre madeira

Grafite - Espelho negativo


Desenho - Uma nação que chora em silêncio


Grafite - A vaca, a arvore, o leite e a fabrica...


Grafite - Prisão social


Desenhos curso artes visuais 2 bimestre